quarta-feira, 31 de março de 2010

O FUTURO É MELHOR DO QUE QUALQUER PASSADO


CONSULTOR: Rafael Jácome

        O grande acelerador de partículas do Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN), na Suíça, iniciou hoje, terça-feira, as colisões entre feixes de prótons, as primeiras criadas pelo homem a uma energia correspondente a 280 milhões de baterias de carro. Segundo cientistas do Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas (LIP), esses feixes irão movimentar-se em sentidos opostos, numa velocidade próxima da luz em vácuo, e que vão colidir no centro de quatro detectores.

        A experiência pode, ainda, lançar pistas para compreender a natureza da matéria, constituindo-se como a única forma de se obterem novas partículas, como aquela que explica a origem da massa, e que nunca antes foi observada, ou a antimatéria. Os impactos no conhecimento da colisão de prótons são "enormes" e os resultados da experiência serão relevantes também para áreas como a tecnologia da supercondutividade, as tecnologias que funcionam na ausência de atmosfera e até nas tecnologias de informação e computação.

        A energia produzida hoje no acelerador de particulas pode acabar com todos os problemas de energia e crises energéticas que existem atualmente. Hoje fez-se história, e cabe ao homem torná-la grande. Poderá assim passar ainda algum tempo antes que os físicos anunciem algo novo. É tudo uma questão de estatística e conforme citam os cientistas: Algumas novas partículas, como o bosão de Higgs, que segundo o modelo teórico explica a massa, mas nunca foi encontrado, são muitas raras e por isso são necessários milhares de milhões de eventos [produzidos nas colisões] para se poderem detectar.

        Nas colisões entre os feixes de prótons a uma nova energia, os físicos recriam os primeiros nanossegundos do universo, logo após o Big Bang, há 13,7 mil milhões de anos. Nesses primeiros instantes, a sua densidade e temperatura eram elevadíssimas e os seus constituintes básicos, as partículas, andavam à solta, movendo-se a grande velocidade. Os físicos procuram respostas para os enigmas que subsistem sobre a estrutura da matéria e a formação do universo.

        As informações indicam que toda esta concentração, exigiu anos de pesquisas e gastos absurdos. Neste projeto foram gastos até agora 10 bilhões de dólares iniciais e mais 40 milhões de dólares somente para reparos de alguns defeitos. Nós não temos dúvidas em relação à resposta da pergunta: Quem criou o Universo? O autor de Hebreus disse: “Pela fé, entendemos que foi o universo formado pela palavra de Deus, de maneira que o visível veio a existir das coisas que não aparecem”. Hebreus 11:3 Não é de agora que homem tenta reproduzir aquilo que Deus já fez.

        Teilhard de Chardin escreveu: “O melhor acaba sempre acontecendo e o futuro é melhor que qualquer passado”, com isto termino dizendo que nunca tive dificuldades em conceber que tenho profunda esperança em um futuro que vai constituindo o universo e a humanidade tal como deve ser. Talvez seja uma visão metafísica, mas minha mente tende na direção do equilíbrio da física e da metafísica, entre ciência e fé e que estas realidades não realizam apenas uma sintese, mas uma unidade.

        Pela graça Deus superabundou de tudo que provém do bem. Ciência e fé cristã é uma só realidade, entretanto, é preciso saber distinguir e delimitar com bastante discernimento seus respectivos campos de ação e isso me dá uma visão mais completa das coisas e dos fatos. DEUS CRIOU OS CÉUS E A TERRA,... Que venham novos BIG BANGS.

DEUS É FIEL!                                                                           Rafael Jácome

terça-feira, 30 de março de 2010

GESTORES PÚBLICOS EM SINTONIA COM O BEM ESTAR DA SOCIEDADE

CONSULTOR: Prof.: Rafael Jácome

        O Brasil está passando por um grande processo de desenvolvimento e excelentes oportunidades serão disponibilizadas para a sua população. Eventos como a Copa do Mundo e Jogos Olímpicos, o crescimento de setores como o siderúrgico e da construção naval, entre outros, comprovam que é necessário a criação de estruturas eficientes, eficazes e efetivas de sustentação para os projetos, nas quais se destaquem o papel decisivo do setor público, desde a oferta de canais de financiamento até o aporte direto de investimentos para as políticas públicas sociais e de infraestrutura.

        O estado do Rio Grande do Norte também será beneficiado com estes grandes projetos: Natal sediará a Copa do Mundo e haverá o aumento do porto da cidade para absorver demandas maiores de navios, será construído o aeroporto de São Gonçalo do Amarante e diversos outros benefícios agregados a implantação destas obras. Para as suas execuções e implementações novos modelos estão se estruturando, como as parcerias público-privadas e os consórcios públicos, que sinalizam caminhos promissores e inovadores para as suas viabilizações e capilarizações das ações.

        Em face dessas perspectivas, a necessidade de formar quadros mais especializados de profissionais com capacidade empreendedora e gerencial é uma das principais prioridades colocadas para o país. No nosso estado existe uma enorme carência de especialistas em Gestão Pública. Oportunidades de campo de trabalho existem, faltam profissionais com conhecimento de causa e preparados para contribuir com políticas públicas voltadas para o bem estar da sociedade.

        Os gestores públicos além de conhecer as ferramentas administrativas, precisam diagnosticar o meio em que atuam através de análises políticas e econômicas consistentes, buscarem estratégicas e definição de ações necessárias para que as mesmas sejam implementadas e bem sucedidas. São necessários conhecimentos lógicos do Ciclo do PDCA.

        Pensando nisto a FUNDAÇÃO ULYSSES GUIMARÃES através do seu Diretor no Rio Grande do Norte, Gleire Belchior lhe convida para participar do CURSO PARA GESTORES PÚBLICOS MUNICIPAIS. Faça sua inscrição enviando suas informações para: rafaeljacome2008@gmail.com ou pelo telefone 8871-7435.

A PAZ DO SENHOR!                                Rafael Jácome

sábado, 27 de março de 2010

“DOMINITE” O NOVO VÍCIO DOS TEMPOS MODERNOS

Irmão Rafael Jácome
       Ontem nós fomos visitados por um pastor de Curitiba/PR e ele utilizou da palavra para falar da ausência dos crentes nos templos evangélicos. Sem gritos e com muito teor histórico, ele abordou as experiências dos seus quarenta e quatro anos de vida evangélica. Ressaltou o espírito desbravador daqueles que iam anunciar a Palavra de Deus, sem aparatos tecnológicos, luz a base de candeeiros, a infraestrutura precária e desconfortável e muitos outros elementos característicos daquela época.

        Apesar desta simplicidade de cenário os crentes reuniam-se com muito mais freqüência nos cultos. As pregações eram realizadas por pessoas com poucos estudos e até mesmo analfabetas, mas tornavam-se motivos de grandes louvores ao Senhor. Pessoas eram batizadas no Espírito Santo, as igrejas lotadas e todas glorificando ao Senhor com entusiasmo e emoção verdadeira.

        Hoje este cenário é pouco vivido nas igrejas. Os crentes estão trocando a igreja por suas necessidades pessoais. A universidade absorve todo o seu tempo, o trabalho consume todas as suas energias, as amizades confortam seus estresses, assistir televisão é o maior entretenimento e nos shoppings Centers as maravilhas do lazer. Até mesmo aos Domingos, dia de maior freqüência, as igrejas estão vazias – um verdadeiro caso de “DOMINITE AGUDA”.

        Na Psicologia Social este fenômeno é denominado de LIQUIDACIONALISMO, ou seja, é um vicio comportamental onde as pessoas liquidam (trocam) o seu maior foco (a igreja, a empresa, o trabalho, a família, etc) por seus interesses pessoais, manipulando as ações para que as coisas aconteçam conforme seus próprios objetivos. Porém, não podemos trocar Deus por nada e nem por ninguém!

        É aqui aonde mora o perigo! Trocamos o nosso amor maior a Deus por coisas fúteis. Inserimos em nossas vidas e em nossos lares os candeeiros do HOMEM VELHO, basta ligar a televisão para constatarmos um cenário propício para desestruturar a harmonia na família e aumentar a divisão no seio da sociedade. O mundo não nos dá a oportunidade da comunhão, do amor, da fraternidade, da misericórdia, do perdão, ... Do Reino de Deus.

“QUÃO AMÁVEIS SÃO OS TEUS TABERNÁCULOS, SENHOR DOS EXÉRCITOS! A minha alma suspira e desfalece pelos átrios do SENHOR.” Sl 84

A PAZ DO SENHOR!                                                            Rafael Jácome

sexta-feira, 26 de março de 2010

CURSO PARA GESTORES PÚBLICOS MUNICIPAIS

CONSULTOR: Rafael jácome

NATAL/RN, 25 DE MARÇO DE 2010.

Caros amigos (as),

Fui convidado para participar da equipe de professores da FUNDAÇÃO ULYSSES GUIMARÃES - FUG/RN e juntamente com o nosso Coordenador Greire Belchior e do Professor Assis – Doutor da UFRN, administramos o Curso para Gestores Públicos Municipais, que é disponibilizado a todos que tenham interesse em aprofundar seus conhecimentos e melhorar os seus currículos.

Iniciamos nossas atividades com os alunos da Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN. Foi uma experiência única, sensacional e de uma qualidade fora do comum! Formamos as duas turmas do Curso de Gestão Pública da UFRN. Uma experiência MARAVILHOSA.

MAS, quero fazer um CONVITE aos meus amigos e amigas: Em nome da Fundação Ulisses Guimarães e do seu Coordenador estadual convido a todos vocês – com ensino médio, estudantes universitários ou graduados de: Medicina, administração, contabilidade, jornalismo, direito, enfermagem, gestão pública, filosofia, história, teologia,,,, Enfim, qualquer que seja sua área, a atualizar e aperfeiçoar os seus conhecimentos em GESTÃO PÚBLICA. O país precisa de gestores que tenham conhecimento de causa, preparados para a formação de uma sociedade mais justa e igualitária. Além de tudo isto, você terá melhor oportunidade de CAMPO DE TRABALHO. DETALHES:

O Curso tem a seguinte estrutura curricular:

MÓDULO I – NOÇÕES GERAIS DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MUNICIPAL – 35 horas;

MÓDULO II – COMPETÊNCIAS E ATUAÇÃO DO PODER LEGISLATIVO – 24 horas;

MÓDULO III – COMPETÊNCIAS E ATUAÇÃO DO PODER EXECUTIVO – 24 horas.

O método de ensino adotado é a modalidade de educação a distância – EAD em salas presenciais, com uma tele-sala de ambiente agradável com ar condicionado para os encontros presenciais; aulas gravadas em DVD – VideoAulas; material pedagógico de EXCELENTE QUALIDADE, sistema de gerenciamento de aprendizagem por meio de “homepage” da própria Fundação Ulisses Guimarães.

Você será avaliado e receberá a CERTIFICAÇÃO, observando os seguintes critérios:

Inscrição regular no curso; FREQUÊNCIA mínima exigida nos encontros presenciais; PARTICIPAÇÃO nos trabalhos realizados em grupos, nos encontros presenciais; realização de AUTO-AVALIAÇÃO INDIVIDUAL do participante ao final do curso; e AVALIAÇÃO do Mediador (Professor Rafael e/ou Professor Assis).

OBSERVAÇÃO: A emissão dos certificados é de responsabilidade da FUNDAÇÃO ULISSES GUIMARÃES. Aumente sua qualificação e seu CURRICULO.

Você pode está se perguntando: Professor Rafael quem elaborou estas aulas? GENTE GRANDE! Profissionais da área com títulos de PÓS-DOUTOR, DOUTOR, MESTRE e ESPECIALISTAS das melhores instituições mundiais e nacionais. VALE A PENA!

Professor Rafael, QUANTO CUSTA? NÃO CUSTA ABSOLUTAMENTE NADA. Então como faço para me INSCREVER? Você que é meu amigo e faz parte de um grupo seleto, podemos lhe dá duas escolhas: quem mora no alecrim, zona oeste e zona norte, podem participar das aulas no Colégio Êxito do bairro do alecrim e quem mora na Zona sul e arredores pode ir participar das aulas no INSTITUTO IRIS em neópolis.

RESPONDA A ESSE E-MAIL COLOCANDO AS SEGUINTES INFORMAÇÕES:

NOME; ENDEREÇO; TELEFONE; HORÁRIO (Manhã, Tarde, Noite) - Existem dois horários disponíveis na segunda e terça a partir das 18h20min no colégio Êxito do alecrim ou você pode se organizar com os seus amigos e oferecer um outro horário, inclusive nos SÁBADOS.

INÍCIO DAS AULAS: PRIMEIRA QUINZENA DE ABRIL - ENTRE 12 e 17 DE ABRIL/2010. VAGAS LIMITADAS!

CONTATOS: RAFAEL – 8871-7435; PROFESSOR ASSIS: 9471-4099

PRESTEM ATENÇÃO: O CURSO É UMA COISA SÉRIA, NÃO É POLITICAGEM OU COISA PARECIDA. AGUARDO O RETORNO O MAIS BREVE POSSÍVEL.

Um forte abraço!

quarta-feira, 24 de março de 2010

SEU INÁCIO UM SERTANEJO “PÉ DE SERRA” - 01

CONSULTOR: Rafael Jácome

        Há um bom tempo atrás tive a oportunidade de fazer um trabalho social no interior da Bahia. Conheci o Seu Inácio, um homem de aproximadamente 65 anos, casado, pai de sete filhos, sendo quatro homens e três mulheres, dos quais apenas os dois mais jovens habitavam com ele e sua esposa Elza.

        Sertanejo “pé de serra”, logo cedo começou a trabalhar na lavoura com o pai. A vida sempre foi disciplinada, acordava cedo para tirar leite das quatro vaquinhas, depois cuidava da horta, traçava a terra para o plantio do feijão, e no final da manhã preparava-se para ir à escola. Do pai herdou um pequeno sítio. Gostava muito de coloquiar com as pessoas, dizia que era uma oportunidade de conhecer o mundo de forma diferente, com pessoas com inteligência mais “apurada”.

        Era tesoureiro do sindicato dos agricultores rurais da sua cidade, pertencia a um partido de esquerda e sempre permanecia com o seu radinho de pilha ligado em busca de notícias. Gostava de falar sobre a realidade do sertão: “Nós pagamos um preço muito caro pela ausência de políticos comprometidos com o povo, eles ficam lá dentro dos seus gabinetes, isolados do mundo e só aparecem de quatro em quatro anos - é igualzinho a copa do mundo, traçando seus planos para ficarem mais ricos”.

        Homem sábio distinguia bem a situação do nordestino: “desde o tempo do descobrimento do Brasil, a nossa região sempre foi alvo de espoliação pelos nossos governantes. Acredito que não se concebe pensar numa estabilidade social, mediante uma estrutura econômica falida e corrompida. Lembro-me que uma vez meu pai me levou até a cidade de Recife, para resolver um negócio dele, e fiquei impressionado com as queimadas da cana-de-açúcar. Acredito que foi a nossa primeira desgraça, pois só servia para o enriquecimento dos senhores de engenho. Coitado dos trabalhadores, viviam no subemprego, arriscando a vida, ganhando um vintém e ainda por cima, com grandes possibilidades de viverem em regime de semi-escravos. Na verdade também conheci pessoas guerreiras, lutando pelos direitos daquela gente, conheci até ex-membros da Liga dos Camponeses, assim como umas irmãs e padres ligados as comunidades de base da igreja católica.”

        Mas o que o Seu Inácio mais destacava era o desânimo das pessoas: “O pior de tudo é que o povo desiludido com tudo larga o campo e vai para o sul do país, em busca de recuperarem os seus sonhos”.

        Levando em consideração que esta conversa ocorreu nos anos oitenta, podemos dizer que o cenário é o mesmo: MUDA BRASIL! POR UM DE PAÍS DE GESTORES PÚBLICOS EFICIENTES, HONESTOS E TEMENTES A DEUS.

A PAZ DO SENHOR!                                                          Rafael Jácome

terça-feira, 23 de março de 2010

Igreja católica encobriu pedofilia por 30 anos

R7 -Bispos católicos alemães pedem perdão por pedofilia

        ...O presidente da conferência episcopal alemã declarou-se "profundamente comovido" nesta segunda-feira (22) com o escândalo de abusos sexuais contra menores em instituições católicas do país. O arcebispo Robert Zollitsch pediu perdão a todas as vítimas na abertura do encontro de bispos em Friburgo.
- Estou profundamente comovido pelos casos de abusos que foram revelados.  O abuso sexual contra um menor é sempre um crime horrendo. Quero me juntar à afirmação do papa Bento 16 e pedir perdão a todos aqueles que foram vítimas de tais crimes.

        Na semana passada, Bento 16 qualificou os abusos sexuais contra menores de "crime odioso" e "pecado grave", após uma reunião excepcional com os bispos irlandeses, atingidos por um escândalo de pedofilia.

        Na Alemanha, o escândalo veio à tona em janeiro no colégio jesuíta Canisius de Berlim, onde o reitor reconheceu que vários ex-alunos sofreram abusos sexuais nos anos 1970 e 1980, nos quais estiveram envolvidos pelo menos dois professores jesuítas.

        Segundo uma pessoa encarregada pelo colégio de acompanhar o caso, cerca de 120 alunos disseram ter sofrido abusos. O escândalo se estendeu a outros colégios jesuítas da Alemanha, em cidades como Hannover, Bonn e St. Blasien.

        Outros casos foram divulgados envolvendo diversas instituições católicas, como internatos, orfanatos e até um centro para incapacitados.

Copyright AFP - Todos os direitos de reprodução e representação reservados

segunda-feira, 22 de março de 2010

PASTOR MISSIONÁRIO GUNNAR VIGREN

Irmão Rafael Jácome

Pastor Missionário Gunnar Vigren

do Mensagens de blog de destaque - Assembleia de Deus no Brasil de Pr.Adão - Ass.de Deus no Brasil.

Última Saudação de Gunnar Vingren

"Diga-lhes que vou feliz com Jesus, e como um Pai em Cristo, exorto todos a receberem a Graça de Deus, que quer operar mais santidade e humildade, para que possam receber os Dons do Espírito Santo. somente desta maneira a igreja de deus poderá estar preparada para a vinda de jesus"
Como Tudo Começou.

Enquanto o avivamento pentecostal expandia-se e dominava a vida religiosa de Chicago, na cidade de South Bend, no Estado de Indiana, que fica a cem quilômetros de Chicago, morava um pastor batista que se chamava Gunnar Vingren. Atraído pelos acontecimentos do avivamento de Chicago, o jovem foi a essa cidade a fim de saber o que realmente estava acontecendo ali. Diante da demonstração do poder divino, ele creu e foi batizado com o Espírito Santo.
Gunnar Vingren original - Pastor Missionário Suéco (PA) (In Memoriam - 1879 a 1933] -  Liderou a Igreja em Belém do Pará. Liderou a AD no Rio de Janeiro.

- Primeiro Líder das ADs no Brasil de 1911 a 1930, sendo substiuído apenas durante doenças ou viagens pelo missionário Samuel Nyströn.

- Líder das Ads do Brasil em 1932, enquanto era Líder da AD em São Cristovão (RJ).

- Presidente da Mesa Diretora da Convenção da CGADB em 1931
 Pessoal

- Nome completo: Gunnar Adolf Vingren;  Nascimento: 08 de Agosto de 1879. Natural: Ostra Husby, Ostergotland, Suécia. - Esposa: Frida Strandberg (Casou-se em 16 de Outubro de 1917 em cerimônia presenciada por Samule Nyströn). - Filhos: Filha Gunvor, sepultada no Brasil e o filho Ivar Vingren.

- Faleceu em 29 de Junho de 1933.

DEUS É FIEL!                                                          Rafael Jácome

PASTOR MISSIONÁRIO DANIEL BERG

Irmão Rafael Jácome

Pastor Missionário Daniel Berg do Mensagens de blog de destaque - Assembleia de Deus no Brasil de Pr.Adão - Ass.de Deus no Brasil

        Palavras de ânimo que dizia Daniel Berg. "Jesus é bom. Glória a Jesus! Aleluia! Jesus é muito bom. Ele salva, batiza no Espírito Santo e cura os enfermos. Ele Faz tudo pro nós. Glória a Jesus! Aleluia!".Quando Daniel Berg e Gunnar Vingren chegaram a Belém, ninguém poderia imaginar que aqueles dois jovens suecos estavam para iniciar um movimento que alteraria profundamente o perfil religioso e até social do Brasil. Não possuíam eles amigos ou conhecidos na cidade de Belém. Não traziam endereço de alguém que os acolhessem ou orientasse. Carregando suas malas, enveredaram por uma rua. Ao alcançarem uma praça, sentaram-se em um banco para descansar; e aí fizeram a primeira oração em terras brasileiras.

        Daniel Berg - Pastor Missionário Pioneiro (PA) (In Memoriam - 1884 a 1963] - Pioneiro fundador da AD no Brasil.  Primeiro Pastor da AD Belém (SP);   Pessoal - Nome completo: Daniel Högberg (Conhecido como missionário Daniel Berg);  Nascimento: 19 de Abril de 1884;   Natural: Vargon, Suécia; Pais: Gustav Verner Högberg e Fredrika Högberg (pertenciam à Igreja Batista); Esposa: Sara (Casou-se em Julho de 1920 na Suécia);  Filhos: David Berg (?); Falecimento: 1963 aos 79 anos de idade. Formação:  Aprendeu a profissão de fundidor na sua primeira viagem aos Estados Unidos.: Ministério: converteu-se e foi batizado nas águas em 1899.
        Foi para os Estados Unidos em 5 de Março de 1902 (aos 18 anos), chegando em Bostom em 25 de Março.  Retornou à Suécia por algum tempo onde tomou conhecimento sobre a graça do Batismo no Espírito Santo através de um amigo.  Vai novamente para os Estado Unidos (1909] e, ainda na viagem, é batizado no Espírito Santo.  Em 1909, numa Conferência em Chicago, conhece o pastor Gunnar Vingren (Veja: biografia).  Muda-se para South Bend onde pastoreava o Gunnar, iniciava-se uma grande amizade. Juntamente com o amigo recebem a revelação para irem ao Pará.  Abandonou o emprego e, juntamente com o amigo, partiram para o Brasil. 
        No Brasil, empregou-se como caldereiro e fundidor na Companhia Port of Pará. O que recebia servia de sustento para os dois.  A conseguir se comunicar em português, começou a evangelizar nas cidades e vilas ao longo da Estrada de Ferro Belém-Bragança, enquanto Vingren cuidava do trabalho iniciado na capital. Evangelizou a Ilha de Marajó.
        No início de 1920 visitou a Suécia, onde conheceu a jovem Sara com quem se casou em Julho.  Em 1921, retornou ao Brasil casado.  Em 1927, muda-se para São Paulo -  Em 1963, hospitalizado na Suécia, continuava evangelizando através de folhetos e orações. - Descansou em 1963 aos 79 anos de idade.
"Jesus é bom. Glória a Jesus! Aleluia! Jesus é muito bom. Ele salva, batiza no Espírito Santo e cura os enfermos. Ele Faz tudo pro nós. Glória a Jesus! Aleluia "

DEUS É FIEL!                                                                       Rafael Jácome

CRESCE O NÚMERO DE MULHERES BUSCANDO TRABALHO

CONSULTOR: Rafael Jácome

        Segundo o presidente da ABRH-CE Celso Camargo, onde também é forte o segmento de turismo, é possível constatar que, a cada ano, mais e mais mulheres chegam ao mercado de trabalho, algo que todo selecionador em empresas já percebeu:“Essa maior disponibilidade de mão de obra, somada ao fato de que as mulheres têm melhores níveis educacionais, vai se traduzir em alguns anos em uma presença majoritária também nos postos de comando das empresas”, prevê.
Mais benefícios, menos empregos

         Segundo Cibelli Pinheiro, presidente da ABRH-PE, onde são fortes segmentos como o agronegócio e o turismo, na visão de muitos empresários as mulheres têm mais benefícios trabalhistas do que os homens, o que leva as empresas a ponderarem a contratação de mulheres para cargos mais críticos como os de comando:

“Muitas mulheres emendam a licença com as férias, precisam sair para amamentar, faltam quando têm que levar as crianças ao médico, não podem fazer viagens longas a trabalho e isso acaba sendo levado em conta pelos empresários quando precisam escolher uma pessoa para uma posição crítica em uma área de comando”, lembra.

A PAZ DO SENHOR!                                        Rafael Jácome

GESTÃO PÚBLICA - CONGRESSOS E EVENTOS

Consultor: Rafael Jácome


Gestão Pública

A Associação Brasileira de Recursos Humanos - ABRH-PE promove no dia 14 de abril o Fórum Estadual de Gestão Pública, com o tema “Sustentabilidade começa nas pessoas”. O evento conta com a participação especial do consultor Eduardo Shinyashiki, e da presidente da ABRH-Nacional Leyla Nascimento. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas pelo site da ABRH-PE ou pelo telefone (81) 3321-8814.


Amcham promove Rodada de Negócios em SP

VII CAGP

No mês de abril, a ABRH-AL promove a 7ª edição do Congresso Alagoano de Gestão de Pessoas, maior evento de recursos humanos do estado. As inscrições podem ser feitas pelo telefone (082) 3326-2690 ou pelo e-mail abrhal@abrh-al.com.br.

Com o tema “Inspirar, criar, transformar – A arte de ser RH” o evento irá mostrar como transformar a força humana em ações que garantem às empresas uma cultura empresarial competitiva.

Dentre os palestrantes confirmados estão Cleisson Nunes, Glória Meirelles, Márcia Luz, Edson Ferreira e Alberto Cabus.

A PAZ DO SENHOR                                         Rafael Jácome


 

Novas leis facilitaram processos de abuso sexual contra menores

Agência Brasil

BRASÍLIA - As mudanças no Código de Processo Penal, ocorridas nos dois últimos anos, facilitaram a abertura de processos de abuso sexual contra crianças e adolescentes. Para a promotora de Justiça Edna da Mata, da 12ª Vara Especializada em Crimes Contra a Criança e o Adolescente do Ceará, o grande avanço é que um processo judicial por abuso pode ser instaurado sem a representação da vítima ou de um parente.

“Hoje, até por uma denúncia anônima, o Ministério Público pode abrir uma ação. Antes, dependia de um parente da vítima dar a queixa, mas isto nem sempre acontecia. As famílias vivem um conflito, a tendência é culpar a vítima de violência sexual”.

A promotora destaca mais dois pontos importantes na recente revisão do Código Penal. O primeiro é a chamada “produção antecipada de provas”. Esse dispositivo legal, de um lado, evita a revitimização do menor que sofreu violência sexual e, de outro, minimiza prejuízos decorrentes da demora no julgamento da causa.

O outro ponto é que as penas foram agravadas. “Hoje para estupro de vulnerável (menor de 14 anos) a pena pode chegar a até 30 anos. Um crime de estupro pode pegar uma pena até maior que de um homicídio”, disse.

Edna da Matta salienta ainda a possibilidade de novos aperfeiçoamentos na legislação brasileira. Segundo ela esta maior rigidez na lei, apesar de ser uma medida importante, pode gerar contradições na sua aplicação.

“Qualquer ato sexual ou libidinoso contra um menor de 14 anos é estupro de vulnerável. Se um menino de 13 anos estiver beijando uma moça de 18 e houver queixa na polícia ela terá praticado estupro, da mesma forma que um homem que violentou uma criança de oito anos”.

17:23 - 21/03/2010

domingo, 21 de março de 2010

BREVIÁRIO HISTÓRICO DA FAMÍLIA CRISTÃ

Irmão Rafael Jácome

1 – A ORIGEM DA FAMÍLIA

        A nossa história inicia-se ainda quando a terra estava sem forma e vazia, havia trevas sobre a face do abismo, mas o Espírito de Deus pairava por sobre as águas(Gn1.2). Criou, então Deus, todas as coisas e o Senhor teve duas sensações presentes na bíblia: tudo o que fizera “era muito bom” (Gn 1.31); e quando olhou para o homem, isolado em meio à grandiosidade do Éden, exclamou: “não é bom que o homem esteja só, far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea” (Gn 2.18). Com a criação da mulher, ocorreu a complementaridade do homem.

2 – A FORMAÇÃO DIVINA DA FAMÍLA

        Na figura do homem surge o pai e no plano divino, a família tem seu princípio na união do casal, ampliada na união com os filhos, “...O homem...se unirá a sua mulher, e serão ambos uma só carne” (Gn 2.24). Este ato tem diversas implicações incluindo a união sexual, geração de filhos, intimidade espiritual e emocional e respeito mútuo.

        Partindo deste princípio de origem e caráter divinos, a família precisa ser respeitada, honrada e amada.

3 – A ORIGEM DO LAR CRISTÃO

        Deus criou o primeiro lar. Nele havia amor, paz, união, saúde, alegria, harmonia, felicidade e comunhão com o Senhor. Tudo era em harmonia, não existia ociosidade, o homem foi colocado “para lavrar e guardar” (Gn 2.15). Desde o princípio Deus dignificou a atividade da mente e do corpo. Porquanto, vejamos:

        No Éden as manhãs e tardes eram agradáveis, a luz solar empolgava a Adão e Eva. As noites eram tranqüilas e não havia medo. Nos luaus o ambiente era paradisíaco. Nesta harmonia o melhor de tudo era: “...Deus, que passeava no jardim pela viração do dia...” (Gn3.8a): a presença do Senhor enchia o primeiro lar de muita paz e alegria indizível.

4 – A QUEDA DA FAMÍLIA

        O pecado de Adão e Eva representou a queda da humanidade, onde deu “as costas” para Deus. Por muito tempo a cultura do poder humano associou a este episódio algumas idéias erradas, entre as quais surgiu a figura da maçã proibida – representando a força do prazer e do proibido. Na verdade quanto ao homem e à sua função, Deus ordenou:

• O homem poderia comer de toda a árvore do jardim, com exceção de uma.

• O homem não poderia comer da árvore da ciência do bem e do mal.

        Entretanto, uma voz de modo suave e envolvente foi ouvida no jardim: “é assim que disse Deus: não comereis de toda a árvore do jardim?” . A mulher, sem se impressionar com “a mais astuta que todas as alimárias do campo” (Gn. 3.1), respondeu-lhe: “do fruto das árvores do jardim comeremos, mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: ‘não comereis dele, nem nele tocareis, para que não morrais’”(Gn. 3.2,3). “Então a serpente disse a mulher: certamente não morrereis. porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal” (Gn 3.4-5).

5 – O ABISMO DA FAMÍLIA

        Após a queda do homem ficou claro que Deus é pessoal e redentor e o ser humano é pecador. A partir daqui iniciou-se um processo de concupiscência, Isto é, no desejo carnal incontrolável. A tudo que diz respeito não apenas aos apetites sexuais, mas a bens e gozos materiais. Do desejo sem domínio, do saciar-se a qualquer custo a vontade do corpo, da carne.

        Então, a mulher viu que a árvore era boa para se comer: entrou em ação a “concupiscência da carne” > 1Jo 2.16b; Tg1.14b; Is 5.20; Rm 8.8; A mulher percebeu que a árvore “era agradável aos olhos”. Foi despertada a “concupiscência dos olhos” > 1Jo 2.16c; 1Tm 6.7; Mc 12.30; 1Tm 6.10; A mulher achou que a árvore era “desejável para dar entendimento”. Foi despertada a “soberba da vida” > 1Jo 2.16d; Pv 3.6.

6 – O PERIGO DO PECADO NA FAMÍLIA

        Outra fragilidade humana surgiu pela primeira vez quando Adão culpou a sua esposa e Deus. A mulher também tentou escusar-se da culpa. A mulher comeu do fruto da árvore, mas compartilhou com o seu marido (Gn 3.6). O mesmo acontece hoje: o fumante convida outro a fumar; o bêbado convida outro a beber; o adúltero não adultera sozinho, convida alguém para pecar; o viciado em drogas sente necessidade de levar outros ao abismo dos tóxicos; o mentiroso partilha a mentira com alguém; e o ladrão e o assassino agem melhor em companhia de outros.

7– CONSEQUÊNCIAS DO PECADO DE ADÃO E EVA

        Ao entendimento do bem e do mal adquirido por Adão e Eva, conheceram que estavam nus, assim como o medo, a perda de autoridade, a desarmonia, a mulher conheceu mudanças negativas em si mesma, o homem conheceu a maldição da terra, o trabalho tornou-se fatigante; e por fim o homem conheceu a morte física.

8 – A REDENÇÃO DA FAMÍLIA

        A bíblia nos diz: “mas, vindo à plenitude dos tempos, Deus enviou seu filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, para remir os que estavam debaixo da lei, a fim de recebermos a adoção de filhos” (gl 4.4); a redenção do homem é a redenção da família, do gênero humano. Deus enviou seu filho ao mundo; e a queda do homem ocorreu aqui, na terra. a redenção do homem foi efetivada aqui também. Isso é muito gratificante, aquele que haveria de esmagar a cabeça da serpente.

A PAZ DO SENHOR!                                                                                   Rafael Jácome

terça-feira, 16 de março de 2010

OS DEUSES NA ANTIGUIDADE

Irmão Rafael Jácome

        Durante os diversos períodos da história da humanidade as religiões serviram como um instrumento de manutenção de poder, garantindo privilégios para a elite dominante. Foram parceiras nos processos econômicos, sociais, culturais e políticas e ideologias de opressão. Os deuses davam a garantia da manutenção da ordem social e através dos seus exemplos eram retiradas as premissas para a organização das comunidades.

        No mundo pagão da antiguidade o caos era sinal de poder, contanto que fossem obedecidas as suas regras e autoridades. Os deuses egípcios, gregos e romanos, expressavam todas as crenças e descrenças da humanidade, e, difundiram em grandes escalas a dicotomia da vida humana. Em Roma onde o estado romano era o empresário deles, nunca houve uma preocupação em resolver problemas entre os seus adeptos, aliás, além dos de casa, a cada conquista de outras regiões, o número de deuses aumentava.

        No período republicano conviveram com uma multidão de deuses, onde se afirmava que existiam cidades com maior número de deuses do que a própria população. Os sacerdotes eram responsáveis pelo direito de regular as relações entre os homens, segundo a vontade dos deuses, que a comunicavam apenas a eles durante as cerimônias religiosas. Eram os sacerdotes que os comunicavam, caso por caso, constituindo-se desta forma como os primeiros advogados de Roma. Esta estrutura foi sucumbida muito tempo depois, após o surgimento do monoteísmo através do estoicismo e depois com o judaísmo e por fim, com o triunfo do cristianismo.

A PAZ DO SENHOR!                                                        Rafael Jácome

DA CRISE À SALVAÇÃO

Irmão Rafael Jácome                                           

        A humanidade cria as suas leis, geralmente refletindo o pensamento dominante das classes privilegiadas, daqueles que sabem em detrimento daqueles que não sabem; daqueles que são opressores em contrapartida daqueles que são oprimidos; dos donos dos meios de produção em face aos trabalhadores. As regras são estabelecidas conforme os seus interesses e em face do dualismo da humanidade.

        Atualmente vivemos uma época de crise que envolve os diversos aspectos da nossa vida – crise econômica, política, das ciências, dos sentimentos, das idéias, nos relacionamentos,... O que significa viver um momento de mudanças, de contrastes e de busca de soluções. No livro História das sociedades de Aquino, Denize e Oscar encontramos: “Em suma o homem está em crise... de substituição de um mundo de incertezas por outro, onde os valores sociais anteriores, já sem significação, não respondem aos nossos anseios. É todo um processo de transformação integral, e tão rápidas e tão profundas são as transformações que nos sentimos muitas vezes abalados. Nossas idéias e sentimentos são a todo instante questionados, muitas vezes sentimos tristeza, desânimo, apatia – é como se nos faltasse uma integração interior, como se nosso centro de força não mais nos pertencesse: estão sempre fora, os padrões e valores que, espera-se, cumpramos satisfatoriamente. No entanto, esses padrões e valores perderam o sentido, como que se esvaziaram, e ainda não existem outros para substituí-los.”

        Estas circunstâncias provocam medo por toda a insegurança e ansiedade que geram e por tudo que podem trazer de novo, e o novo sempre assusta... “Se pudéssemos com facilidade responder: De onde viemos? Que somos? Para onde vamos? Enfim, se fossemos os senhores dos nossos destinos, precisaríamos tanto temer a vida?”

        Numa sociedade extremamente consumista, do poder e do ter, onde os interesses pessoais estão acima dos coletivos, Jesus é verdadeiramente o caminho para um mundo mais solidário e justo. Jesus Cristo nos dá a oportunidade de recomeçarmos e nada temer: “Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas; pelo contrário, terá a luz da vida” (João 8:12); “Eu sou o pão da vida; o que vem a mim jamais terá fome; e o que crê em mim jamais terá sede” (João 6:35); “Eu sou a porta. Se alguém entrar por mim, será salvo; entrará, e sairá, e achará pastagem” (João 10:9); “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim não morrerá, eternamente” (João 11:25-26).

        Jesus foi enfático: Qual é o caminho? Qual é a verdade? Qual é a vida? “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim” (João 14:6). Jesus é o único que pode remover a escuridão, Ele é o portão para uma vida de satisfação. Jesus é a vida – neste mundo e no próximo. Jesus é o caminho da salvação!

DEUS É FIEL!                                                                 Rafael Jácome

segunda-feira, 15 de março de 2010

PADRES CATÓLICOS PEDÓFILOS

Irmão Rafael Jácome                               Visite: http://rafaeljacome.blogspot.com/
        Bastou escrever sobre pedofilia aqui no meu blog e estourou no mundo inteiro casos desta chaga social no mundo dos padres católicos. A igreja romana está em pânico! O próprio Joseph Raztinger – o Papa Bento XXIII está sendo acusado de ter “passado a mão” na cabeça de um colega alemão envolvido em casos de pedofilia na época em que era arcebispo de Munique e Freising.

        Próximo de iniciar os meus estudos e vida celibatária em meados dos anos 80 escrevia em minha agenda: “O cardeal Joseph Raztinger é um moralista desenfreado, autoritário e perseguidor”. Neste período eu morava na Itália e a igreja romana havia lançado a proposta da Inculturação, tendo em vista a proliferação das idéias das diversas igrejas locais provenientes principalmente dos países africanos, sul americanos, da América central e da Ásia. Ratztinger era um dos grandes obstáculos.

        Enérgico com relação à doutrina da igreja romana, o atual papa está envolvido com outros supostos casos de abusos sexuais envolvendo sacerdotes alemães. Entre eles, há suspeitas de crimes cometidos contra jovens na abadia beneditina de Ettal, na Baviera, que também se referem à mesma época. Além disso, existem denúncias de pedofilia no coro da catedral de Regensburg, que foi dirigido pelo irmão do Pontífice, Georg Ratzinger, por 30 anos.

        Tecnicamente pedofilia é um transtorno de personalidade da preferência sexual que se caracteriza pela escolha sexual por crianças, quer se tratem de meninos, meninas ou de crianças de um ou do outro sexo, geralmente pré-púberes ou no início da puberdade, de acordo com a definição da CID-10 - Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde -, compilação de todas as doenças e condições médicas conhecidas elaboradas pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

        Quando se trata de pessoas que pregam o Evangelho e são representantes de uma instituição cristã milenar, é motivo de preocupação. São escândalos espalhados em por todo o Brasil e demais países católicos. No artigo passado evidenciei a cultura do hedonismo que banaliza o sexo, reduzindo unicamente a um objeto de prazer, conforme a tendência no comportamento sexual mesquinho que cruza impudente as encruzilhadas da vida, transformando tudo em “cultura da morte”.

        Em face desse cenário, seja de padres católicos, pais, pastores, internautas, ... É fundamental a recuperação do significado e dos valores fundamentais a que aludimos, necessários para o surgimento de uma civilização verdadeiramente humana. A Revelação, em Cristo Jesus, permite conhecer a origem divina da pessoa humana, fundamentando-lhe a dignidade, o absoluto e a intangibilidade dos direitos.

JESUS LIBERTA!                                                              Rafael Jácome

sexta-feira, 12 de março de 2010

PEDOFILIA: UMA CHAGA SOCIAL

Irmão Rafael Jácome
        A imprensa nacional tem dado destaque a vários casos aberrantes praticados contra crianças e adolescentes. São pais praticando atos de sadismos contra os próprios filhos, fatos de luxúria e de violência carnal, crescimento da prostituição infantil. Aliás, a exploração sexual estende-se em escala mundial, mesmo em países europeus onde o fator econômico difere da realidade de outros continentes, mas nenhum país está isento desta chaga.

        As estatísticas brasileiras do fenômeno da exploração pornográfica, assim como a violência sexual e de prostituição infantil são alarmantes. Não podemos resumir ou imputar as causas à miséria ou à má situação econômica. Entretanto, psicólogos e sociólogos insistem em atribuir o sadismo exercido sobre os filhos a profundas frustrações nos pais, devidas à vida alienante de nossos dias, e a comercialização sexual das crianças principalmente em vista do lucro.

        A verdade é que o homem contemporâneo, no próprio ato com que “domina” a natureza (e também a própria), em vez de “controlá-la”, arrisca-se a relegar a vida na dimensão da insignificância e torná-la desprezível. A insignificância da vida - que é a mais sutil forma de violência, embora ela não seja percebida como tal pela consciência de muitos – faz parceria com a perda do significado da sexualidade humana.

        O homem é um indivíduo que se define essencialmente pela sua liberdade; mas a finalidade a que livremente se propõe converge hoje amplamente para uma visão hedonista e materialista da vida. O objetivo comum e único é o da dimensão estética e hedonista de viver, tendo por finalidade a busca do prazer, concebida na “arte erótica” como normalidade ética. Tudo é claro, alimentado pela pornografia selvagem, aonde o próprio erotismo conduz à obsessão, à aberração, ao abuso contra a natureza (onde se processam o narcisismo, a masturbação, a homossexualidade), e, tendo como conseqüência a perda do significado da sexualidade humana.

        Em vários escritos insisto em dizer que a mídia quer transformar tudo em normalidade: “Tudo é possível entre quatro paredes.” Mas existe enorme diferença entre o agir sexual e a cultura hedonista. Isto porque a sexualidade na perspectiva da cultura hedonista não necessita de sentido, porque o prazer dado ou o recebido se bastam a si mesmos. O hedonismo nega a enorme riqueza emotiva do agir sexual, da criatividade amorosa que ela comporta, e da capacidade de amar no respeito e na fidelidade, ele surge de forma enganosa e muda através de uma dimensão instintiva que faz da sexualidade humana o lugar da ambigüidade e do “domínio” e revela o gosto da posse e da violência.

        As várias matérias publicadas nos meios de comunicação, inclusive a mais recente envolvendo padres católicos pedófilos no Brasil, confirmam que a cultura hedonista e a progressiva perda de significado da vida humana, da sexualidade e, da própria pessoa, tornam-se raiz determinante daquela violência sobre a infância e adolescência que todos condenamos. Precisamos resgatar nossa sociedade da infâmia da exploração sexual das crianças.

A PAZ DO SENHOR!                                                                                 Rafael Jácome

quinta-feira, 11 de março de 2010

NO MEU NOME - DEVOCIONAL 12/03/2010

Irmão Rafael Jácome
Jo 16.23: “Tudo quanto pedirdes a meu Pai, em meu nome, ele vo-lo há de dar.” (Jo 16.23).


        Muitas vezes nos encontramos com a sensação de descompromisso com a vida. Como que estamos à procura, nas inevitáveis experiências, de um “elo perdido”, mas acabamos sentindo a angústia das nossas necessidades, da ajuda e do sentimento de abandono e, por outro lado, sentimos a realidade de Deus. Pai de todos nós, que nada necessita para usar da sua Onipotência para atender os nossos desejos e necessidades, como filhos seus.

         É como um vazio que clama pelo pleno. É como um pleno que clama um vazio. Mas não se encontram.

        A liberdade na qual nos é dotado, pode também causar este dano. Mas Deus não cessa de ser amor para aqueles que O reconhecem: “Tudo quanto pedirdes a meu Pai, em meu nome, ele vo-lo há de dar.” (Jo 16.23).

        Eis uma das muitas palavras de Jesus rica de promessas. Com isto Ele nos ensina como alcançar tudo que necessitamos. Somente Deus pode falar desta forma. Não existem limites. Todas as graças são em seu poder: as terrenas, as espirituais, as possíveis e impossíveis. Porém, Jesus declarou: NO MEU NOME. Ele nos alerta para buscar ao Pai, no seu nome, e pedir isto, depois aquilo, mais aquilo. Jesus sabe que o Pai não pode dizer não.

        Caso você esteja na situação de “pedi, pedi, pedi no nome de Cristo, mas nada obtive.”, talvez esteja esquecendo-se de outras palavras de Jesus, por exemplo, que obtém quem está n’Ele e que quer dizer na sua vontade. Possa ser que pediu alguma coisa que não está nos desígnios de Deus para sua vida e não ver necessidade de receber neste mundo. Portanto, é necessário saber o que pedir e se é vontade de Deus.

        Então é bom orar, pedindo: “Pai, eu te peço em nome de Jesus, se é do teu agrado e vontade.” E se a graça pedida se contemplar com os planos de Deus no seu amor que pensou para você, a sua palavra se concretizará: “Tudo quanto pedirdes a meu Pai, em meu nome, ele vo-lo há de dar.” (Jo 16.23).

A PAZ DO SENHOR!                                                                           Rafael Jácome



quarta-feira, 10 de março de 2010

A NORMA SOCIAL

CONSULTOR: Rafael Jácome

        Ontem participei da reunião dos professores em greve da rede municipal de educação, quando foi iniciado um debate sobre o conceito de autonomia moral em Durkheim e em Piaget. Confesso que fiquei surpreso em encontrar professores interessados em debater sobre tal assunto e, me fez lembrar o livro da   Bárbara Freitag: Norma Social: gênese e conscientização, lido no período do meu Curso de Consultor para a ONU/FAO.

        Não tenho mais o livro, no entanto, lembro o que defendi defronte aos meus amigos professores. Segundo Durkheim o homem dá utilidade a Norma, se constituindo um sujeito autônomo, sujeito à Norma e, portanto, seja individualmente ou no grupo, ele tem que tê-la como um meio para sua socialização. Um homem sem ela é um ser associal, e que não vivendo esta realidade pode ter comportamento como o suicídio, como também momentos de anomalias. O que significa que a sociedade e a consciência coletiva são entidades morais, antes mesmo de terem uma existência tangível.

        Em Piaget o indivíduo quando alcança à autonomia moral, ele atinge o estágio de renegociação das Normas, ou seja, quando o princípio da reciprocidade do direito é desrespeitado por uma das partes, então é necessário que se tenha a renegociação. Demonstra ainda que o indivíduo tenha no contexto da elaboração das Normas, uma participação ativa, capaz de transformá-la e criar leis soberanas respeitando a maioria da vontade social. Ressalta a importância do homem de construir e reconstruir as Normas e que através da sua consciência, ele agrupando-se, pode como indivíduo gerar uma sociedade mais justa.

        Mas qual é o estágio de desenvolvimento da consciência moral é necessário para a construção da consciência organizativa?

        Quando ocorre a percepção das Normas como um instrumento de socialização, ou seja, quando o homem atinge o nível de encontrar no questionamento das Normas, uma forma participativa na elaboração de leis mais soberanas e democráticas. Seja em Weber que o homem sai da Consciência Ingênua, como em Piaget que também parte da ingenuidade à Consciência Crítica, e, portanto, da construção de novas leis que venham estruturar mais democraticamente a sociedade, o homem começa a construção da Consciência Organizativa.

        É na participação ativa da criação (ou renegociação) das Normas, que o homem interfere nos princípios tradicionais construídos pelos mais velhos. A partir do momento que ocorre a relação, inclusive entre grupos de crianças nas escolas, e se tem maior autonomia para sua atuação, constrói-se um nível de organização capaz de gerar um mundo mais igualitário e regido por leis soberanas.

        Enquanto defendia minhas idéias, me veio em mente à seguinte pergunta: “Mudando de assunto, não é hora de vocês pensarem nas famílias e nas crianças que estão fora das salas de aulas?” Neste instante criou-se uma grande ANOMIA.

DEUS É FIEL!                                                                  Rafael Jácome

A REVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A ECONOMIA


CONSULTOR: Rafael Jácome

        Com a expansão tecnológica ocorreu à expansão e o desenvolvimento das ciências, seja no campo genético, da medicina, da geração de novas fontes de energias, no sistema de transportes, entre outros. Este avanço está ligado à revolução tecnológica da informação, fruto exatamente do avanço da informática, radiodifusão, sistemas de satélites, internet, etc., - o que vem caracterizar uma nova rede mundial de informações que tem como alguns exemplos, as mudanças de padrões genéticos de DNA, do modo de pensar, de alimentar, de trabalhar, do entretenimento... É uma revolução que gradualmente muda o comportamento social, econômico e cultural da humanidade.

        A partir do crescimento da tecnologia de informação a globalização da economia tomou novos rumos, principalmente devido o acesso à informação nos dias atuais ser mais eficaz e veloz. Tendo por base a circulação das informações do mercado mundial, ela traz até nossas casas (o meio) todo o aparato mundial necessário para realizar um negócio. Tudo é facilitado e determinado pelas informações e conteúdos globalizados pelas leis da economia internacional. Hoje a concorrência está ao alcance das pessoas, onde inclusive a compra/venda de mercadorias é simplificada.

        Para controlar e melhorar este avanço tecnológico é preciso definir com precisão o papel das redes na economia global. Com a globalização é necessário um grau de organização capaz de fornecer sempre informações precisas, seguras, eficientes, para gerar as redes de economia mundial. Assim está acontecendo em todo o mundo. A Europa orfgazia-se na comunidade européia, instituindo a sua própria moeda, os Estados Unidos, México e o Canadá formam a ALALC, os países sul americanos criam o MERCOSUL, e demais sistemas de mercado e através da internet caracterizada pelo e-commerce, um dos grandes geradores de negócios do mundo contemporâneo.

DEUS É FIEL!                                                                                            Rafael Jácome

sexta-feira, 5 de março de 2010

ACEITAR A NATUREZA HUMANA - DEVOCIONAL 07/08/10

Irmão Rafael Jácome

        É comum definir o homem como um ser racional, complexo e constituído de alma espiritual e corpo animal ao mesmo tempo. Desde o pecado original, perdido o dom da integridade, acentou-se a dualidade dos elementos constitutivos da natureza humana. Diante da sua complexidade tende a viver apenas a vida animal, desprezando muitas vezes o lado espiritual, e, como num curto-circuito - busca simplificar a vida;
        Freud e seus adeptos afirmam como o recalque dos intintos produz neuroses. Mas hoje em dia aumenta sempre mais, o número de psicoterapeutas que admitem a espiritualidade como elemento constitutivo da natureza humana.
        Para nós cristãos que sabemos que o homem é um ser consciente, livre e responsável, mas temos vistos que esta verdade tão conhecida e básica para nós, hoje tem sido esquecido e ridicularizada. A falta de sentido para a vida tem levado a numerosos casos neuróticos, onde as relações tempos atrás provocavam frustação SEXUAL, hoje causam frustração EXISTENCIAL, ambos sintomas neuróticos da sociedade contemporânea. As pessoas nos dias atuais, alegam problemas de estresses, cansaços, rotinas, ... que causam problemas e/ou traumas psicológicos. Entretanto, a Psicologia moderna e suas descobertas podem oferecer-nos valiosas contribuições para aceitarmos melhor, e sem gastos desnecessários, a finalidade de nossa vida cristã.
        Não adianta buscar na psicoterapia a solução para a insatisfação humana, quando apoiada pela procura do prazer (hedonismo) ou pela procura do poder (princípio do “fazer-se valer” da psicologia individual). Importante: uma alma sequiosa não renegará o espírito. Não pode apenas cuidar das necessidades psico-biológicas – do pão – ou como também, do outro extremo: o espiritualismo ou “angelismo”.

Disse jesus ao demônio: “não tentarás o senhor teu Deus” (mt. 4,7), quando este quis induzir a outra parte da realidade humana: o corpo, suas leis e suas necessidades. E o tentador continua: “ele aos seus anjos ordenará a teu respeito que te guardem...” Disse como que ensinando: não és também tu um ser espiritual? Lança-te daqui abaixo. Voarás! Jesus repeliu essa segunda forma de ferir a ordem estabelecida pelo criador;

        Deus criou o corpo e matéria e quer que respeitemos as leis que regem este mundo. O homem tem que respeitar a lei da gravidade: importa aceitar integralmente a realidade da natureza humana; não só nossa espiritualidade, mas também, nosso corpo, nossa biologia e nosso psiquismo. Se não, erramos desde o ponto de partida, não chegando à perfeição, mas, muitas vezes, à colheita de desajustamentos e neuroses,

A PAZ DO SENHOR!                                                                 Rafael Jácome

quarta-feira, 3 de março de 2010

RECUSANDO A VIDA: O EXEMPLO DE GENEZARÉ - FINAL

Irmão Rafael Jácome  A atividade capacita o crente.
São esses os graus de Consciência do homem que aceita Jesus como único e suficiente Salvador: Consciência da presença de Deus e a Consciência de Santidade.

        Jesus, certo dia, transpusera o lago de Genezaré, chegando à terra de Gerasa. Vieram-lhe ao encontro dois endemoniados, saindo dentre os sepulcros, e a tal ponto furiosos, que ninguém podia passar por aquele caminho. Jesus os cura, expulsando as legiões aos quais permite entrar nos porcos e imediatamente toda a manada se precipitou com ímpeto no mar por um despenhadeiro, e morreram nas águas. E os pastores fugiram... Logo toda a cidade pediu para que Jesus se retirasse da terra deles (Mt 8. 28).
• Gerasa, a cidade dos criadores de porcos, não se interessava por curas e milagres, muito menos queria ouvir pregações sobre o reino de Deus;
• Viviam bem, comiam bem, tinham divertimentos – nada mais desejavam;
• Não precisavam do Messias; precisavam sim, dos porcos, da indústria rendosa da banha. Essa é que lhe garantia o bem estar na terra, com a chegada de Jesus tudo estava ameaçado de ruína;
• Podemos imaginar a consternação e perturbação naquela cidade pacata, quando explodiu como uma bomba a notícia: dois mil porcos (Mc 5.13) perdidos. Os gerasenos preferiram os porcos e os bens materiais em detrimento ao Reino de Deus.
        A humanidade não pode libertar-se de Jesus. Não pode ignorá-lo. Jesus é a decisão. Depois de Cristo, o homem só se pode realizar como crente, aceitando-o como único e suficiente Salvador. Querer negar a Jesus, é negar a si mesmo, é não querer a própria realidade. Ele tem o compromisso com o pobre, com a causa da dignidade humana tanto violada. Mas a vida só tem sentido em Cristo, fora disso, fica apenas o tédio e o desespero. Não aceitando Jesus, o homem procura abafar tudo com sensações sempre novas, atividade febril e divertimento em sequência; se torna insensível com tudo que é necessário para a formação de um mundo mais justo e fraterno e de sua salvação.
        Deus não exerce coação sobre o homem. Solicita-o. Quanto mais ele atender as inspirações do Espírito Santo, tanto mais livre se torna. “Onde está o Espírito do Senhor, aí está a liberdade” (2 Co. 3,17). Se perguntarmos quais são os aspectos mais relevantes e iluminadores da verdade total de Jesus Cristo que ajudam a compreender, teologicamente, nossa realidade? A sua própria vida, que O faz para nós crentes, Boa Nova, Esperança, Salvação presente (libertação), Revelação do designo do Pai, ... Diante do amor ao pobre, cabe encontrar uma articulação entre o saber da fé e o saber da razão, na convicção de que tanto num quanto no outro se encontra o Verbo, fonte de toda a verdade, pois pelo próprio fato da criação tudo encontra Nele sua existência e consistência (Cl 1.16-17; Jo 1,3). Deus nos chama para sermos livres e a verdadeira liberdade, digamos de novo, não significa permanecer na indecisão, na ambivalência, mas realizar-se plenamente;
        Respondeu-lhe Jesus: “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida”. Jo 14.6. A plena realização, a santidade, consiste em aderir o homem a Deus, de tal maneira que se torne “um espírito com Ele” (1 Co 6. 17) e se deixe levar pelo Espírito para onde Ele quiser. “Todos os que são movidos pelo Espírito de Deus, são filhos de Deus” (Ro 8. 14); Portanto, livre é o homem que é “ele mesmo”, sem coação nenhuma. E quanto mais ele aderir a Deus, Aquele que o conhece como é e como devia ser, tanto mais ele se realizará independentemente de sua condição social, econômica e cultural.

Referências:

CARNEIRO DE ANDRADE, Paulo Fernando - Fé e eficácia. O uso da sociologia na teologia da libertação. São Paulo:1991, 312p;
LIBÂNIO, João Batista – Teologia da Libertação. Roteiro didático para um estudo. São Paulo, 1987 – p. 173 – 231;
Costa, Maria Cristina Castilho – Sociologia: introdução à ciência da sociedade – São Paulo, Moderna, 1987;
De Morais, Clodomir Santos, Elementos Sobre a Teoria da Organização – IATTERMUND, Brasília, 198.
Bíblia de estudos Plenitude. Barueri – SP – Sociedade Bíblica do Brasil- 2002;
Johnson, Allan G. – Dicionário de sociologia: guia prático da linguagem sociológica/ tradução, Ruy Jungman – Rio de Janeiro; Jorge Zahar, 1997.

Natal/RN – 18 de novembro de 2009.

OS GRAUS DE CONSCIÊNCIA DO CRENTE - 5

Irmão Rafael Jácome      A atividade capacita o sujeito
São esses os graus de Consciência do homem que aceita Jesus como único e suficiente Salvador: Consciência da presença de Deus e a Consciência de Santidade.
        O crente é chamado a ter o papel transformador, buscando primeiro às coisas do Reino de Deus e agindo como agente de renovação e testemunho de um mundo mais justo, igualitário e fraterno, formados por tementes a Deus, comprometidos com as causas do Evangelho. Jesus nos pede para sermos decisivos, de não termos compromissos ou cumplicidade com o mal, prontos mesmos a privarmos das coisas mais desejadas, se estas nos privam de possuir a Deus. Não devemos ser motivos de escândalos e não nos metermos em situações perigosas, evitando-as para estarmos diante de Deus, e a sua graça fará o resto, transformando-nos.
        Conhecemos as coisas que o mundo nos oferece, mas somos chamados a sermos “sal da terra e luz do mundo”. Saber da nossa fraqueza e ter a capacidade de identificar, com realismo, os efeitos que o mundo pode realizar em nós, assim como sobre nosso inconsciente, induzindo pensamentos, impulsos, dúvidas,... que terminam nos tirando a serenidade e a liberdade. Em outras palavras: é importante trabalhar a própria consciência.
        O chamado do crente é individual, entretanto é responsável pela santidade do próximo, pois ele responde por seus atos e seus testemunhos. Assim sendo o processo é coletivo, seja nas ações que surgem da atividade enquanto indivíduo, como em suas atividades produtivas e sociais e avança pela linha de capacitação da mensagem da Palavra, aperfeiçoando a exigência e um posterior desenvolvimento da prática social e produtiva, pela necessidade de penetrar na essência das coisas. Em Atos 2.42 encontramos: “E perseveraram na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir de pão e nas orações”.
        Comunhão significa compartilhamento, uniformidade, parceria, companheirismo com o resto da sociedade cristã; O partir do pão, provavelmente seja uma referência à Ceia do Senhor, acompanhada de uma refeição completa; a oração é estar em plena união com Deus. É esta a ação por um mundo unido “Deixe a vida do Espirito Santo produzir obras vivas de fé em você!
        O homem quando aceita Jesus, ele adquire prontamente a Consciência da Presença de Deus em sua vida, mas somente na vivência do Evangelho no seu dia-a-dia, é que acontece o amadurecimento espiritual.   
        A sua relação com Deus, com o próximo e com a sociedade depende da sua experiência e dos momentos de “capacitação”, pois viver o Evangelho não é aprendizado pela transmissão do conhecimento do indivíduo que o convidou a aceitar Jesus. Quando isto ocorre, significa que há um sujeito que transfere o seu saber a outro, buscando transformá-lo. Mas esta realidade dificulta o rompimento do seu modo de vida do passado, com a realidade transformadora do Evangelho. Partindo do princípio que é a atividade que capacita o sujeito, tem por clareza que não se ensina viver o Evangelho, tem que ser vivenciado e não existe técnica, tem que ser vivido. É capacitação!
        Ao adquirir a Consciência da Presença de Deus em sua vida, o homem se “torna um com a Trindade” e a vivência do Evangelho é o fruto do embate entre esta “unidade” e a atividade. O “ser um com a Trindade” parte do pressuposto de como diz Paulo: “já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim” (Gl 2.20). Portanto, nesta capacitação, a atividade é quem indicará ao homem quais são as necessidades de instrumentos, de habilidades a desenvolver para executá-la, e o crente guiado pelo Espírito Santo, utiliza critérios de fé para escolher na liberdade (cresce em santidade – 1Co 7.34).
        É da prática (vivência do Evangelho) que se inicia o processo de experimentação do crente: o uso do ensaio e erro para que, aos poucos, vá percebendo a atividade e traduzindo as necessidades indicadas por ela, na busca do instrumental que permitirá transformá-lo. Assim, o próprio sujeito vai também transformando-se pela sua prática. Com isto é produzida uma síntese que se traduz na aquisição do conhecimento pelo crente, através da vivência com a atividade. A atividade, por sua vez, também se transforma sob a ação do crente (aperfeiçoando a santidade no temor de Deus - 2 Co 7,1).
       Tendo sofrido mudança, a atividade irá requerer novas habilidades do crente, o que terá seu conhecimento sobre a atividade enriquecida obrigatoriamente, cada vez que como ele manejar: ora porque se habilitou melhor a tratá-lo, ora por ele ter desenvolvido novas habilidades, dado os novos desafios apresentados pela mesma. O crente vivencia, estuda a Palavra (teoria), vivencia e torna a estudar, possibilitando ao crente a apreensão do conhecimento e a transformação da realidade em que vivem (Consciência de Santidade).

DEUS É FIEL!                                                                            Rafael Jácome

A ATIVIDADE CAPACITA O CRENTE: O EXEMPLO DE MARIA - 4

Irmão Rafael Jácome
        Na Bíblia encontramos vários exemplos de capacitação, mas para concluir este primeiro estudo, o Espírito Santo me guia para o testemunho de Maria, mãe de Jesus. A parte todas os dogmas elencados pelo catolicismo romano, ela foi, antes de tudo, a primeira pessoa a aceitar Jesus como o seu único e suficiente Salvador. A sua vida é um exemplo claro da ação de Deus em toda as suas atividades: mãe, esposa, protetora, serva, obediente ao Projeto de Deus para humanidade (Lc 1.38), pois com o seu “sim” a Jesus, Ele pode vir ao mundo (Mt 1.22-23), cidadã humilde e praticante da religião judaica(Lc 2. 22-24), bendita entre as mulheres e temente a Deus.
        O cântico de Maria descreve o milagre da encarnação, é notório que ela não entendeu de imediato, mas simplesmente adorou. No trecho “Dinâmica do Reino” encontrado na Biblia Plenitude, comentando o Capítulo 1. 25-56(pag.1030) de Lucas, encontramos: “É difícil podermos nos aprofundar nos momentos atordoantes que ela experimentou: 1) quando Simeâo profetizou sofrimento mental/emocional futuro (2.35); 2) quando ela e José falaram com Jesus depois de terem achado que ele estava perdido em Jerusalém (2.49-50); 3) quando Jesus meigamente recusou-a no casamento em Caná (Jo 2.4); quando Jesus pareceu rejeitar a ela e aos esforços de seus irmãos para ajudá-lo, embora eles claramente não o compreendessem corretamente naquela época (Mt 12.46-50).
         Esses exemplos inspiram nosso aprendizado da sabedoria da persistência e obediência, ao seguirmos as regras básicas de /deus em nossa vida, mesmo quando os detalhes do término da sua vontade não estão totalmente claros. Maria também é um estudo no caminho de seguir a vontade de Deus. Ela podia ter buscado uma posição mais alta entre aqueles que viam Jesus pelo que ele era - Messias – mas, ao invés disso: 1) ela continuou firme ao seu lado durante todo o caminho até a cruz, ao invés de proteger a si mesma (Jo.19.25); e 2) ela juntou-se obedientemente aos outros discípullos de Jesus no cenáculo e esperou eu ele ordenasse a vinda do Espírito Santo (At 1.14)”.
“Maria é um modelo de obediência responsável, uma pessoa que viveu conforme as orientações que ela mesma deu aos servos em Caná – conselho eterno para todas as eras: ‘Fazei tudo o que Ele vos disser’(Jo 2.5).”
DEUS É FIEL!                                                                                      Rafael Jácome

A MAIS CRUENTA ATIVIDADE DE JESUS - 3

Irmão Rafael Jácome    A atividade capacita o crente.
São esses os graus de Consciência do homem que aceita Jesus como único e suficiente Salvador: Consciência da presença de Deus e a Consciência de Santidade.
        Jesus nos mostra claramente no momento da Redenção, que as imensas dores que sofria pela humanidade, podem parecer atenuadas pelo fato que Ele possuía, também naqueles momentos, a visão salvífica. Ao entrar no processo da sua morte na cruz, a sua mais cruenta atividade ministerial, ele tinha o conhecimento da dor e angústia, que haveria de passar: orou ao Pai, dizendo - “Meu Pai, se possível, passe de mim este cálice! Todavia, não seja como eu quero, e sim como tu queres”. Orou por três vezes repetindo as mesmas palavras.
        Com relação a este momento Tomás de Aquino em seu Compêndio Teológico, c. 232, afirma: “A razão superior do Cristo toda inteira fruía e gozava quanto ao seu objeto (atividade)*, mas também toda inteira sofria pela parte do sujeito. Nem aquela fruição diminuía a paixão, nem a paixão impedia a fruição; pois não existe redundância de uma potência à outra, mas a cada uma era consentido de operar o que lhe era próprio”.
        A relação de Jesus Cristo no processo de sua morte, é íntima entre Ele e o Pai, culminando com o sentimento de abandono: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? (Mc 15.34), mas ele necessitava vivenciar esta atividade, pois naquele momento estava representando toda a humanidade diante de Deus como o seu chefe, com um ato de valor infinito, pois esta dor foi sofrida pela pessoa do Verbo e, redimiu a humanidade.
        Ele vivenciou a atividade objetivada. O efeito sobre cada homem, exatamente porque são livres, existirá somente se cada um aceitar de ter sido remido, querendo usufruir dos frutos da Redenção inserindo-se com a fé e com o batismo no Cristo qual membro do seu corpo.
DEUS É FIEL!                                                                              Rafael Jácome

A ATIVIDADE CAPACITA O CRENTE - 2

Irmão Rafael Jácome
São esses os graus de Consciência do homem que aceita Jesus como único e suficiente Salvador: Consciência da presença de Deus e a Consciência de Santidade.

        Muitos afirmam que o Espírito Santo capacita o crente, não é bem assim, pois o crente que “torna-se um” com o Deus Trino, é parte do projeto de Deus em sua vida, e, através do Espírito Santo lhe é distribuído o discernimento para realizar suas atividades: A fé em Jesus Cristo é a resposta humana à atividade divina levada a cabo pelo Espírito Santo.
        O Espírito Santo é descrito como o Espírito do Filho de Deus (Gl 4,6) e como o Espírito de Cristo (Rm 8,9). Quem confessa Jesus o faz pelo Espírito Santo. A vida cristã, em suas dimensões mais diversificadas, é considerada por Paulo como estando sob o poder do Espírito Santo. Há diversas passagens que evocam, quando não afirmam diretamente, que a vida cristã é originada pelo Espírito Santo (1Ts1,6; Rm 5,5; 8,9; 1Cor 2,4; 6,11; Tt 3:5). O Espírito é recebido pela escuta da pregação (Gl 3,2).        
        Para o crente, o dom do Espírito é a garantia da redenção plena que há de vir, como as primícias eram a garantia da colheita plena (Rm 8,23). Os crentes foram selados com o Espírito da promessa (Ef 1,13). Os dons do Espírito Santo nos textos de Paulo são dados em função do Reino Messiânico. Ele enumera uma lista longa de dons espirituais como profecia (Rm 12,6); línguas (1Cor 12,10); sabedoria (1Cor 2,6); conhecimento (1Cor 12,8); poder para fazer milagres (1Cor 12,10); discernimento dos espíritos (1Cor 12,10); interpretação de línguas (1Cor 12,10); fé (1Cor 12,9). No fim do seu ministério e em suas ultimas epístolas, Paulo dedicou-se muito ao tema da Igreja e uma de suas analogias favoritas era a Igreja como corpo de Cristo. O Espírito Santo é quem anima esse corpo, comunicando-lhe a vida e dirigindo-lhe em todos os aspectos para a edificação do Reino.
         O mesmo Espírito também anima e guia o crente de modo pessoal. Também há uma grande variedade de expressões que indicam a presença e a atividade do Espírito Santo orientando a sua vida moral. De fato, tudo na sua vida deve estar sob a direção e sustentação do Espírito. “O fruto do Espírito é amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade. Fidelidade, mansidão, domínio próprio. E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne, com as paixões e concupiscências.
        Se vivemos pelo Espírito, andemos também no Espírito” (Gl 5,22-26). O Espírito Santo, portanto, leva o crente a discernir suas atividades, conduzindo-os ao grau de Consciência de Santidade – tornando plena a relação do crente com o Deus Trino e na comunhão com o próximo.
A PAZ DO SENHOR!                                                                            Rafael Jácome