domingo, 4 de julho de 2010

O PRINCÍPIO DA UNIDADE

Irmão Rafael Jácome
 
        Com a queda do homem perdemos a nossa integridade e rompemos a unidade com Deus. Imediatamente ocorreu a sua morte moral e espiritual e tal rompimento caracterizou a escolha da maldade como o supremo da vida. Em Adão deu origem a lei do pecado e da morte a totalidade da pessoa humana. O dualismo é introduzido nas suas decisões e entre o bem e o mal, ele escolheu a maldade, pois tudo que é do bem provém de Deus.

       Na decisão da escolha abandonamos a Deus, considerando que nossa conduta de pecadores não se mistura com a santidade de Deus. E este fato é determinante para que seja concretizado o projeto de Deus para a humanidade e marca o princípio de tudo, tendo em vista que se o desprezamos, não havia motivos para a nossa existência. Em suma, Deus nos amou de tal maneira que doou o seu filho, Jesus Cristo, para restaurar a comunhão com Ele, mediante a redenção de Cristo. Todos que professam Cristo como o Senhor, retornam ao projeto original do Pai eterno.

        Sabemos que nada existe fora de Deus e todo crente deve ser convicto desta condição. Por felicidade e gratuidade, o Senhor nos cedeu a graça e é ela o principio de todos os movimentos dos filhos de Deus e de todas as ações do cristianismo.

        A graça é um presente de Deus para a humanidade e é uma ação feita para a nossa existência, mesmo não sendo merecedores como atesta Paulo: Rm.3.10 como está escrito: Não há um justo, nem um sequer. Rm.3.11 Não há ninguém que entenda; não há ninguém que busque a Deus. Rm.3.12 Todos se extraviaram e juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só.”

        Tudo isto comprova que a nossa existência é a primeira ação redentora do projeto de Deus. Ele nos permitiu que mesmo não sendo justos, perdendo a unidade humana, nos concedeu a capacidade do relacionamento, do diálogo, da vida, da família e da esperança. Podemos abandonar a Deus, mas Ele nunca nos abandona: “Rm.3.24 sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus, Rm.3.25 ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus; Rm.3.26 para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus.”

         Pela graça de Deus foi-nos enviado o seu filho Jesus Cristo – Marco da Nova Aliança, complemento da sua ação redentora. Jesus é a única esperança da humanidade: “porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu ferirás o calcanhar” (Gn 3.15)

         Este trecho descreve a batalha entre o bem e o mal, com Deus como o vencedor final através de Jesus cristo, o último Adão. Assim sendo, cabem as palavras de Jesus: “a fim de que todos sejam um; e como és tu, ó Pai, em mim e eu em ti, também sejam ele em nós; para que o mundo creia que tu me enviastes.” (Jo 17.21).
         É este o compromisso da Nova Unidade: anunciar o Reino e apresentar Jesus como o único e suficiente Salvador da humanidade.

DEUS É FIEL!                     Rafael Jácome

Nenhum comentário: