quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Movimentos de mulheres querem mais recursos no Orçamento para enfrentar violência

Fonte: Jornal Extra - AL


A reivindicação está em uma carta lida hoje (20), por representantes do movimento, em uma reunião com a bancada feminina na Câmara


Com a proximidade da votação do Orçamento Geral da União, que deve ocorrer até o dia 21 dezembro pelo Congresso Nacional, entidades de defesa dos interesses das mulheres de vários estados querem incluir na proposta mais recursos para políticas de enfrentamento à violência. A reivindicação está em uma carta lida hoje (20), por representantes do movimento, em uma reunião com a bancada feminina na Câmara.

No documento, além cobrar uma participação mais efetiva das mulheres na elaboração de políticas públicas, elas também pedem mecanismos mais transparentes para que seja possível saber quanto está sendo investido na proteção de mulheres vítimas de violência do campo e da cidade. Elas reconheceram que a criação da Secretaria de Política para Mulheres, em 2003, foi importante,mas não trouxe os recursos suficientes.

A deputada Fátima Bezerra (PT-RN) ressaltou a importância da pressão popular para conseguir mais recursos para políticas públicas. “Não adianta ter belas ideias, políticas públicas, se não tivermos orçamento”, disse. A coordenadora da bancada feminina, deputada Janete Pietá (PT-SP), disse que vai tentar articular uma conversa da bancada com o presidente da Comissão Mista de Orçamento, deputado Paulo Pimenta (PT-RS), e com o relator, senador Romero Jucá (PMDB-RR), para tratar das reivindicações das mulheres.

O encontro não se limitou a queixas por mais recursos. Lembrando que no próximo dia 25 é comemorado o Dia Latino Americano pelo Fim da Violência Contra Mulheres, as deputadas também ouviram reclamações sobre situações que, segundo o grupo, são frequentemente vividas por mulheres.

“O Brasil é o sétimo lugar no ranking de violência contra a mulher. São violências física, moral, sexual, patrimonial e psicológica. Para nós mulheres é difícil viver em um país onde a gente sente tanta discriminação”, disse a agricultora Maria Mendes dos Santos . Ela também destacou a violência sofrida por mulheres no campo e os “vários processos que ficam engavetados e não são resolvidos no tempo hábil que é necessário”.

A representante do Movimento dos Atingidos por Barragens, Lívia Gonçalves, destacou que durante a construção de hidrelétricas, pelo menos 16 direitos humanos são violados. “Nesses locais, geralmente cidades pequenas, chegam milhares de homens para trabalhar e aumentam muito os casos de violência física e sexual contra mulheres”. Ela disse ainda que nessas áreas, antes mesmo de as empresas se instalarem para começar as obras, chegam pessoas interessadas em abrir prostíbulos. “ Isso não é lazer, estamos falando das nossas vidas”, denunciou.
Karine Melo / Agência Brasil

Nenhum comentário: