terça-feira, 27 de novembro de 2012

Seminário discute Políticas Públicas implementadas nas UPPs

Fonte: TERRA
 
A Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas (Ebape), da Fundação Getúlio Vargas (FGV), realiza nesta segunda-feira e na terça o seminário "Favela é Cidade", para avaliar as políticas públicas implementadas nas unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) no Rio de Janeiro do ponto de vista dos moradores das cerca de 20 comunidades que contam com o projeto. O evento ocorre no Morro Santa Marta, em Botafogo, na zona sul, e tem a parceria do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase).
Com o tema "As UPPs, A Proposta de Pacificação e A População do Rio de Janeiro", o seminário tem debates entre pesquisadores, estudiosos e população. A primeira mesa do evento abordou os assuntos cidadania, políticas públicas e mercado. À tarde, a discussão foi sobre a relação entre sociabilidade juvenil e a polícia. Amanhã, será discutido o associativismo nas comunidades, terminando com uma roda de conversa entre lideranças comunitárias.
Para a professora de política pública da FGV, Sônia Fleury, a política de pacificação, que é para ser um processo de paz e não de guerra, não poderia ser apenas a UPP. "Isso aqui é ocupação territorial, e é para ser, para acabar com o tráfico. Mas era preciso o Estado ter fortalecido a área de saúde, educação e direitos básicos de cidadania. Tem que ter políticas publicas e não só projetos, projetos e projetos", disse a professora.
Sônia acredita que as políticas públicas estão fragmentando as comunidades há alguns anos, reduzindo a importância das associações. Ela disse que essas políticas tratam cada favela separadamente, mas, na verdade, os problemas são comuns: a especulação imobiliária, a "remoção branca" (expulsão dos moradores pela elevação do custo de vida), a falta de diálogo com os jovens, a abordagem policial, entre outros.
"Está sendo feito um crescimento exacerbado do mercado e muita pouca proteção à cidadania. A pergunta que fazemos é: o mercado subiu a favela, a cidadania vai ter que descer? Se o Estado não protegê-la a cidadania, vai", disse a professora. De acordo com o coordenador do Coletivo de Estudos sobre Violência e Sociabilidade, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Luiz Antonio Machado, as UPPs têm sido responsáveis por uma redistribuição do poder interno nas favelas, que altera a relação das comunidades com a cidade.
"Os moradores de favela têm tido pouco espaço na mídia para vocalizar suas queixas e defesas das UPPs, que poderiam ser um passo melhor do que são se efetivamente incorporassem as opiniões dos moradores de uma forma mais orgânica e sistemática. Se há dialogo, ele é do governo com os empresários e a classe média. Nossa intenção é trazer a voz pública dessas pessoas", disse Machado.

 

Nenhum comentário: