segunda-feira, 22 de abril de 2013

As Religiões Orientais - O Budismo

Por Rafael Jácome


O fundador do Budismo, foi o filho de um rajá, Sidarta Gautama (560 - 480 a.C), que viveu no nordeste da Índia. Sobre sua vida há várias histórias, mais ou menos lendárias, mas os pontos de maior destaque são os seguintes:


O Príncipe Sidarta, cresceu no seio da fortuna e do luxo. O rajá ouvira uma profecia de que seu filho, ou se tornaria um poderoso governante ou tomaria o caminho oposto e abandonaria o mundo por completo. Esta última opção aconteceria se lhe fosse permitido testemunhar as carências e o sofrimento do mundo. Para evitar que isso ocorresse, o rajá tentou proteger o filho contra o mundo que ficava além das muralhas do palácio, ao mesmo tempo que o cercava de delícias e diversões. Ainda jovem, Sidarta se casou com sua prima e mantinha também um harém de lindas dançarinas.


Para Buda, um ponto de partida óbvio é que o ser humano é regulado por uma série de renascimentos em que todas as ações têm consequências; o princípio propulsor por trás do ciclo nascimento-morte-renascimento, são os pensamentos do homem, suas palavras e seus atos (carma). Podemos sentir que nosso passado nos alcançou. É essa mesma idéia que percorre o Hinduísmo e o Budismo, onde vêm essa relação como algo estritamente regulado - e que se estende de uma vida à outra. O tipo de vida em que o indivíduo vai renascer, depende de suas ações em vidas anteriores; não existe destino cego, portanto é tão impossível ao ser humano fugir do seu carma, quanto escapar de sua própria sombra. Enquanto o ser humano tiver um carma a cumprir, ele estará fadado a renascer.

Nenhum comentário: