domingo, 19 de maio de 2013

A importância da História Para se Compreender o Plano de Deus

Por Rafael Jácome



A história, qual solícita e amável serva dos desígnios divinos, tem como função realçar a intervenção do Todo-Poderoso nos negócios humanos. Vejamos, a seguir, como podemos definir a história. No Dicionário Teológico, assim a conceituamos:

"A palavra história é de origem grega. Vem de histor. "Aquele que sabe, que conhece, conhecedor da lei, juiz." Aprofundando-nos um pouco mais em sua etimologia, descobrimos que este vocábulo origina-se da raiz de um termo que significa conhecer: "id".

“Cientificamente, a História pode ser definida como a narração metódica dos principais fatos ocorridos na vida dos povos, em particular, e na vida da humanidade, em geral”.

"Usada pela primeira vez por Heródoto (484-425 a.C), tinha a palavra história as seguintes conotações: informação, relatório, exposição.

Na mesma obra, discorremos ainda sobre a função da história:

“David Ben Gurion lia regularmente a História Universal”. Por causa deste seu compromisso com o estudo das antigas civilizações, conforme disse, certa vez, ao escritor brasileiro, Érico Veríssimo, não tinha tempo para outros entrete­nimentos. Se pudéssemos perguntar ao fundador do Estado de Israel o porquê desta sua preferência, certamente responder-nos-ia com estas palavras de Cícero:

"Ignorar... o que aconteceu antes de termos nascido equivale a ser sempre cri­ança". Como um estadista não se deve portar infantilmente, punha-se Ben Gurion aos pés da História para não repisar as asneiras passadas.
"Desgraçadamente, bem poucos foram os governantes que se dedicaram ao exame do pretérito. Eis porque são tão lamentáveis nossas crônicas; e, nossas memórias, tão cruentas. Que lições de História assimilou Napoleão? Apenas aquelas que contavam as glórias de Alexandre? E, Hitler? Limitou-se a circunscrever-se às efemeridades do Império Romano? Isto é aprender História? Não! É repetir as idiotices de ontem com o nariz enterrado no dia anterior.

“Sendo didática a função primordial da História, com ela aprendemos a olhar o mundo de forma retrospectiva e perspectiva”. Para que o primeiro olhar seja límpido, é mister que comecemos a estudar a História Universal pelas Sagra­das Escrituras. Afinal, teremos de responder a algumas perguntas que, embora simples, não deixam de ser complexas e intrincadas àqueles que ignoram os escritos hebreus e cristãos. Eis as perguntas que tanto nos desafiam: Quem criou o Universo? Quem foram nossos primeiros pais? Proviemos todos de um mesmo tronco genético? E: Foi realmente Deus quem nos criou?

“Das respostas a estas indagações é que se formarão nossas filosofias de vida e de governo”.

"Quanto ao segundo olhar, é desnecessário dizer que ele depende essen­cialmente do primeiro. Só conseguiremos trafegar com segurança, se os nossos retrovisores não estiverem quebrados. Doutra forma: atropelaremos o futuro por não perceber que o presente é uma estrada de mão dupla; e, que os semáforos desta via tão irregular, nem sempre funcionam. Quando funcionam, o verde passa para o vermelho sem nenhuma contemplação. Mas quem aprende com a História Sagrada; e, da História Universal, faz-se discípulo (ambas são regidas pelo Altíssimo) sabe avançar e parar. Quando necessário, espera. Isto é aprender História: estar com os olhos no futuro, com o espírito no pretérito, e com o coração sempre presente".


Nenhum comentário: