sábado, 8 de junho de 2013

A Justificação pela Fé nas Tradições Luterana e Reformada: Um Ensaio em Teologia Comparativa

Por Rafael Jácome
Fonte:

    Publicarei aos meus leitores um estudo sobre a Justificação nas óticas dos dois principais reformadores Lutero e Calvino. A fonte é uma tese de Heber Carlos de Campos e assim como ele, " Este trabalho é apenas uma tentativa de ser justo com ambos os ramos do protestantismo. Não é meu propósito argumentar extensivamente a favor ou contra luteranos e ou reformados. Meu único propósito é apresentar com precisão as similaridades e diferenças presentes, sem fazer neste trabalho extensiva justificativa bíblica. Será apenas uma apresentação histórico-teológica do assunto sem, contudo, ter uma conotação apologética, ..."

   A. Similaridades

1 . Sobre a Importância da Doutrina da Justificação

A doutrina da justificação é de tal importância para a teologia luterana que, em círculos luteranos, ela é chamada articulus stantis et cadentis ecclesiae (o artigo sobre o qual a igreja permanece ou cai), sendo o artigo principal das confissões luteranas, a espinha dorsal da teologia na qual todas as outras doutrinas estão apensas e da qual todas dependem. A doutrina da justificção nos símbolos de fé luteranos é o carro-chefe de doutrina, sendo o core de cada artigo. A Apologia afirma literalmente que, na controvérsia sobre a justificação, "a principal doutrina do cristianismo está envolvida". A Fórmula de Concórdia, citando a Apologia, diz: "Nas palavras da Apologia, este artigo da justificação pela fé é ‘o artigo chefe da totalidade da doutrina cristã’".
Para a fé reformada esta doutrina é também muito significativa. Durante o tempo da Reforma, a mesma importância a esta doutrina foi dada nos círculos calvinistas. Calvino tratou deste assunto em suas Institutas da Religião Cristã, escrevendo sobre ela centenas de páginas. Ele insiste em que a doutrina da justificação é "a principal dobradiça sobre a qual a religião se dependura, de modo que devotemos uma maior atenção e preocupação para com ela".
O contexto histórico da Reforma Protestante do séc. 16, na luta contra o catolicismo romano, exigiu uma grande ênfase na doutrina da justificação pela fé em ambas as tradições, já que o pensamento vigente na Igreja Católica era a de uma justificação na qual as obras faziam parte.
  

2. Sobre a Justificação pela "Fé Somente"

Está absolutamente evidente que o sola fide é muito enfatizado na teologia luterana em sua batalha contra a teologia do catolicismo medieval. Fé e obras são termos excludentes entre si. Nada poderia ser acrescentado à justiça de Cristo. Nenhuma adição humana seria tolerada.
A doutrina de Trento ensinava que a justiça merecida por Cristo deveria ser apoiada pela justiça do próprio pecador que cooperava com a graça. Literalmente, Trento expressa-se desta forma, no Cânone 9, da Sexta Sessão: Se alguém diz que o pecador é justificado pela fé somente, significando que nada mais é requerido para cooperar a fim de obter a graça da justificação, e que não é de forma alguma necessário que ele seja preparado e disposto pela ação de sua própria vontade, que seja anátema.
No pensamento luterano, nunca as duas coisas, fé e obras, andaram juntas soteriologicamente. Com os católicos em mente, Melanchton, o escritor de Apologia, diz que "a partícula somente ofende algumas pessoas..." Se eles se desagradam dessa partícula excludente ‘somente’, deixe-os remover os outros termos também excludentes como ‘livremente’, ‘não de obras’, ‘é um dom’, etc." ---Em seu comentário sobre a Carta de Paulo aos Gálatas, Lutero diz que somos "justificados não pela fé proporcionada pelo amor, mas pela fé unicamente e somente". Segundo ele, a fé não justifica porque produz o fruto do amor a Cristo, mas porque ela recebe o fruto do amor de Cristo.
Embora Lutero tenha sido o primeiro a enfatizar o pela "fé somente", esta ênfase não é exclusiva da teologia luterana. Stanford Reid disse que "Calvino não hesitou em dar grande ênfase na doutrina da justificação pela fé somente."(10) Reid conclui: "Portanto, se a justificação pela fé somente é uma doutrina especificamente luterana, devemos colocar Calvino no círculo luterano antes que no reformado." Calvino não ignora a dificuldade de defender a expressão "pela fé somente", pois reconhece a força dos ataques de Roma. Contudo, Calvino, embora reconheça que a expressão "pela fé somente" não é encontrada no texto bíblico, e cônscio ainda dos ataques da Igreja de Roma a essa expressão, dá pleno suporte a essa doutrina nascida nos círculos luteranos.

Nenhum comentário: