sexta-feira, 7 de junho de 2013

Anacoresis, Monges, Cenobitas, a mnema: estilos de vida na comunidade cristã primitiva

Por Rafael Jácome
Fonte: Estudos Teológicos v. 43, pag 109

Anacoresis significa “distanciar-se”, “ausentar-se”; no caso dos monges e monjas primitivos, significava ir para o éremon, o deserto do Egito ou da Síria, lugares desabitados e inóspitos, distantes do mundo agitado. Interessante é que éremon também pode significar “silêncio”, “tranqüilidade”. Na Igreja Antiga, a palavra “eremita” (morador do deserto) é sinônimo de “monge”. Um excelente resumo da história do monaquismo pode ser encontrado em Frairy von LILIENFELD, verbete Mönchtum II, in: Theologische Realenzyklopädie, Berlin: Walter de Gruyter, 1994, v. XXIII, p. 150-193.

O termo “monge” provém de monacós, o “solitário”, o “solteiro”.

Os anacoretas não viviam completamente isolados, mas tinham seus kélioi/kéliai (“cela”, “pequena moradia”) próximos uns dos outros numa colônia sob a direção de um monge experiente (o Abba, ou, no caso de monjas, a Amma). Outra alternativa anacorética era o monasticismo peregrino ou girovágico (Mt 10; Lc 10), que, ao longo da história da igreja, muito contribuiu para a missão cristã.

Os cenobitas ou coinobitas (de coinobion, “vida comum”) inspiravam-se na própria comunidade primitiva de Jerusalém (At 2.42ss.; 4.32-37). Característico para esta vertente monástica, que logo vai se tornar predominante, é a moradia, a oração, o trabalho, o plano de atividades diárias comuns. Mais rigidamente que os anacoretas, os coinobitas deviam obediência ao Abade/Abadessa. Cedo, regras como a de Pacômio, Benedito de Núrsia ou Agostinho passam a organizar a vida espiritual e econômica comum (confira as principais regras em As regras dos monges, São Paulo: Paulinas, 1993). Ao longo do tempo, a organização trouxe riqueza aos monastérios, com a qual promoviam a diaconia, a cultura e a teologia. Devido à sua capacidade, os monastérios foram, em grande parte, integrados nas dioceses e utilizados para atender o povo de vilas e cidades circunvizinhas. Os monastérios e as ordens ligadas a eles vão, sempre de novo, após períodos de decadência, passar por reformas restauradoras dos ideais monásticos (ex.: Cluny/
ordo cluniacensis, Citeaux/ordo cisterciensis).

 A mnema, ou mnematós, é a sepultura – a expressão mneme teou pode, pois, significar “estar
sepultado em Deus”.

Nenhum comentário: